LOCALIZAÇÃO

Av. Nossa Senhora de Copacabana, Nº 540, sala 704 
CEP 22020-0010 - Rio de Janeiro - RJ

 +55 21 96836.2882

secretaria@abcpsicanalise.com.br

CONECTE-SE
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Cinzento Ícone Google+

© 2017 por Associação Brasileira de Candidatos. Criado por Digital Content 

COMUNICADO SOBRE COVID-19

Prezados colegas,
 
Estamos enfrentando uma emergência mundial de saúde pública que atinge a todos nós e nossas vidas, com consequências imensuráveis. A FEBRAPSI, preocupada com as repercussões físicas e mentais da pandemia do COVID-19 entre seus membros, candidatos, analisandos, comunidade psicanalítica, familiares e amigos e, do mesmo modo, com as ressonâncias dessa crise na população, na vida social e econômica do país, vem se unir a vocês para estimulá-los à troca de ideias e experiências que podem ajudar a todos nesse cenário atual.

Muitos de nós já vêm compartilhando ideias sobre como lidar com esta situação que desafia nossa prática analítica, a exemplo do que ocorre no Observatório Psicanalítico, em pequenos grupos e nas instituições às quais somos filiados. A IPA produziu uma Listserv (acesse aqui) para oferecer aos membros um espaço de diálogo e trocas de experiências sobre os novos desafios que nos estão sendo impostos no dia a dia.

Estamos em momento de recolhimento, de afastamento físico e de parada compulsória, vivendo situações duras, inusitadas e difíceis. Por outro lado, as exigências de um momento como este valem pelas reflexões que delas resultam a partir do intenso trabalho psíquico na busca por alternativas que diminuam os danos que, sem dúvida, as situações disruptivas nos causam. Pois não é disso que se trata, de um corpo estranho com a capacidade de romper e alterar radicalmente nossas vidas? Entretanto, não estamos sós na dor do momento e muito menos nas tentativas de criar caminhos que nos conduzam com menos traumas por esta passagem.

As tecnologias digitais podem levar o sujeito ao isolamento, à irrealidade e às fantasias narcísicas de domínio das redes sociais em oposição ao enfrentamento à realidade. Contudo, podem criar elos e alternativas importantes na promoção de diálogos que nos aproximem e nos auxiliem no manejo diário das experiências extremas a que temos assistido, estarrecidos, e agora muito perto de nós.

Temos ferramentas facilitadoras de contato para buscarmos meios de continuar fazendo nosso trabalho e exercendo nossa responsabilidade social. A IPA disponibilizou em seu site recomendações aos membros a respeito do uso de videoconferência em nossa prática analítica (acesse aqui). Estamos pensando em formas de aglutinar experiências para que estas cheguem a todos os membros e também gostaríamos de receber sugestões de vocês.

Estamos disponíveis para conversar e pensar, conjuntamente, sobre nossa prática em tempos de crise, lembrando que Freud privilegiou, em situação de guerra, colocar-se à disposição do analisando. A Comissão de Infância e Adolescência da FEBRAPSI também está atenta às alternativas para seguirmos cuidando das crianças e de seus pais, fora do setting tradicional. Sobre esta questão, em breve serão lançadas algumas ideias para a continuidade da escuta de crianças, adolescentes e seus pais.

Manteremos nossos projetos como forma de alimento à vida e na esperança de que em breve possamos retomar a liberdade de ir e vir.
 
Cordial abraço,
Diretoria FEBRAPSI
ATENÇÃO
Todos os conteúdos acima são de autoria da Federação Brasileira de Psicanálise. Para mais informaçõesfavor acessar:  https://www.febrapsi.org/

Praticando psicanálise e psicoterapia em tempos de crise: coronavírus (COVID-19)  

Esse espaço foi criado para apoiar nossos colegas na China (e agora também em outros países) durante o coronavírus. Você encontrará aqui documentos e artigos interessantes para ajudá-lo a pensar sobre esta crise. Está aberto a todos os nossos membros participar e contribuir com suas observações de viver e trabalhar durante uma crise ou um período profundo de instabilidade. 

Recomendações para os psicanalistas sobre o uso da videoconferência em sua prática

A Associação Psicanalítica Internacional está trabalhando para apoiar os membros, para que possamos tratar nossos pacientes e a nós mesmos com segurança e eficácia durante a Pandemia de Vírus COVID-19. Além de aumentar a ansiedade nesse momento extraordinário, muitas fontes estão incentivando as pessoas a ficar em casa. Para profissionais de saúde mental, isso pode significar, em alguns casos, tratar pacientes remotamente. O IPA oferece a seguinte assistência técnica para ajudar os psicanalistas a considerar como eles podem abordar sessões remotas de uma perspectiva tecnológica. 
ATENÇÃO
Todos os conteúdos acima são de autoria da International Psychoanalytical Association. Para mais informações e indicações sobre o COVID-19, favor acessar:  https://www.ipa.world/IPA/en/News/coronavirus.aspx

Cuidados para saúde mental durante a pandemia

As consequências da pandemia do novo coronavírus estão causando pressão psicológica e estresse em grande parte da população afetada. As incertezas provocadas pelo covid-19, os riscos de contaminação e a obrigação de isolamento social podem agravar ou gerar problemas mentais, segundo a OMSAutoridades de saúde e a agência da ONU estão cooperando para conter a disseminação da doença. Mas como ocorre em tempos de crise, a ameaça de contaminação está causando estresse na população. As informações abaixo foram compiladas junto ao Departamento de Saúde Mental da OMS e são dirigidas a diferentes grupos.

À população geral: o covid-19 não tem bandeira, demonstre empatia!

1. O novo coronavírus deve afetar pessoas em muitos países e regiões. Não existe nenhuma relação da doença com uma etnia ou nacionalidade. Demonstre empatia com todos os afetados em qualquer país. As pessoas infectadas não fizeram nada errado e merecem nosso apoio, compaixão e gentileza.

2. Não se refira às pessoas com a doença como “casos de covid-19” ou “vítimas”, “famílias de covid-19”, “adoentados” etc. Eles são “pessoas com covid-19 ou que estão em tratamento, ou se recuperando” e depois de recuperados continuarão sua vida normal em família, no trabalho e com seus entes queridos. É importante separar a pessoa e a sua identidade do vírus em si para reduzir o estigma.
3. Reduza a leitura ou o contato com notícias que podem causar ansiedade ou estresse. Busque informação apenas de fontes fidedignas e dê passos práticos para preparar seus planos, proteger-se e a sua família.  Procure informações e atualizações uma ou duas vezes ao dia evitando o “bombardeio desnecessário” de informações. A enxurrada de notícias sobre um surto pode levar qualquer pessoa à preocupação. Informe-se com os fatos e não os boatos ou as informações erradas. E busque essas notícias em intervalos regulares do website da Organização Mundial da Saúde, das autoridades locais para que possa fazer a diferença entre boato e fato. Os fatos ajudam a minimizar o medo.

4. Projeta a si próprio e apoie os outros ajudando-os em seus momentos de necessidade. A assistência a outros em seu momento de carência pode ajudar a quem recebe o apoio como a quem dá o auxílio. Um exemplo: telefone a seus vizinhos ou pessoas em sua comunidade que precisam de assistência extra. Atuando juntos como uma comunidade pode ajudara criar solidariedade e a enfrentar o covid-19 em união.  

5. Crie oportunidades para ampliar histórias positivas e úteis e imagens positivas de pessoas na sua área que tiveram o covid-19. Por exemplo, experiências de pessoas que se recuperaram da doença ou que apoiaram um ente querido e estão dispostas a contar como foi. 

6. Homenageie e aprecie o trabalho dos cuidadores e dos agentes de saúde que estão apoiando os afetados pelo novo coronavírus em sua região. Reconheça o papel deles para salvar vidas e manter todos seguros.

Agentes de Saúde

7. Para os trabalhadores desse setor que sentem a pressão de lidar com a situação, este é um quadro típico para você e muitos de seus colegas. É normal se sentir assim por causa do entorno da pandemia. O estresse e as sensações associadas com esse quadro não significam que você não seja capaz de fazer o seu trabalho ou que seja uma pessoa fraca. O gerenciamento da sua saúde mental e o seu bem-estar psicossocial durante este momento é crucial para que você possa manter sua saúde física também. 


8. Cuide de você. Tente utilizar métodos para lidar com a situação como fazer pausas e descansar entre os seus turnos de trabalho e até mesmo tirar um momento dentro do expediente. Tenha atenção ainda aos seus alimentos para manter uma dieta saudável, fazer exercícios físicos e ficar em contato com a família e com os amigos. Evite formas errôneas de lidar com o estresse como o uso de tabaco, álcool ou outras drogas. A longo prazo, eles pioram o seu bem-estar físico e mental. Este é um cenário sem precedentes para muitos trabalhadores especialmente aqueles que nunca participaram de respostas semelhantes a uma crise ou pandemia. Para os que têm alguma experiência, tente utilizar o que deu certo no passado e que pode ser útil de novo. Você pode conseguir reduzir o estresse. Não estamos numa corrida, esta é uma maratona.

9. Alguns agentes de saúde podem estar sendo evitados pela família por causa do medo de contaminação e estigmas. Isso pode fazer com que a situação que você já enfrenta se torne ainda mais difícil. Se possível, continue conectado com seus entes queridos. O contato virtual é uma forma de contato. Procure seus colegas, seus supervisores e pessoas de confiança para esse apoio social. Você poderá descobrir que seus amigos estão tendo experiências semelhantes e atravessando o mesmo que você.


10. Na comunicação com outros, seja simples. Muitas pessoas podem ter dificuldades para entender as mensagens por causa de deficiências cognitivas, visuais e físicas. As formas de comunicação que não sejam só escritas precisam ser utilizadas. Se você é líder da sua equipe, ou chefe do hospital e está em contato com o público e com os pacientes, pense nisso.


11. Descubra e se informe sobre o apoio às pessoas com o covid-19 e aos recursos dos quais elas precisam para que possa fazer a ponte e o contato com links, ou outros meios. Isso é crucial para quem precisa de apoio psicológico ou de saúde mental. O estigma associado a problemas mentais pode causar estresse. O Guia de Intervenção Humanitária inclui diretrizes clínicas para lidar com as condições prioritárias de saúde mental e pode ser usado por agentes gerais de saúde.

Líderes de equipe e supervisores em postos de saúde 

12. Mantenha todo o pessoal protegido de estresse crônico e de uma saúde mental precária para que possam desempenhar seu trabalho da melhor maneira. Certifique-se que a situação atual não terminará da noite para o dia e o seu papel é se focar no longo prazo em vez de respostas de curto prazo para a crise.


13. Assegure uma informação de qualidade e fidedigna para todo o pessoal da equipe. Faça uma rotação no pessoal das áreas mais estressantes para as menos estressantes. Coloque funcionários com menos experiência para trabalhar com os mais experientes. O Sistema de apoio e boas relações entre colegas ajuda a melhorar o ambiente de trabalho, reduzir o estresse além de promover procedimentos seguros. Aqueles trabalhadores que têm que ir às comunidades, devem ir em dois. Inicie, encoraje e monitore as pausas no trabalho. Implemente tabelas  flexíveis para o pessoal que está diretamente afetado ou tem um membro da família impactado pelo estresse ou algum trauma. Assegure-se que você está criando espaço para que os colegas forneçam apoio social uns aos outros.

14. Se você ocupa uma posição de liderança num estabelecimento  de saúde, viabilize o acesso e se assegure de que os funcionários possam utilizar os serviços de apoio psicossocial e mental. Os gerentes e chefes de equipe também enfrentam as mesmas pressões que os supervisionados por eles além de um maior fardo causado pelo papel de liderança. Por isso, é importante que todos os recursos estejam ao alcance de quem precisa trabalhadores e chefes e que os últimos possam ser um modelo na mitigação do estresse. 


15. Oriente aos agentes de saúde, incluindo enfermeiros, motoristas de ambulâncias, voluntários, professores, diagnosticadores e líderes comunitários em quarentenas como oferecer apoio emocional básico para as pessoas afetadas, com base na utilização de um kit de primeiros socorros emocionais.


16. Gerencie a saúde mental dos pacientes e as queixas neurológicas como delírio, psicose, ansiedade severa e depressão, nas áreas de emergência ou de clínica geral. Um pessoal treinado corretamente talvez tenha que ser mobilizado para essas áreas. Veja o guia GAP.


17. Por fim, assegure-se que o fornecimento essencial de medicamentos em todos os níveis de cuidados. As pessoas vivendo com doenças e síndromes como ataques epiléticos precisam de medicação constante e não podem ter interrupções.

Cuidadores de crianças

18. Ajude as crianças a expressarem, de forma positiva, seus medos e ansiedades. Cada criança tem sua propria maneira de fazê-lo.   Algumas vezes, a atividade criativa, jogos e desenhos podem ajudar. As crianças se sentem melhor e mais aliviadas quando podem comunicar os sentimentos num ambiente de apoio. 


19. Mantenha as crianças perto de seus pais e familiares caso seja seguro para elas. Evite a separação deles. Caso uma criança tenha que ser retirada de seus pais ou tutores, assegure-se de que ela estará cuidada por outra fonte como assistentes sociais ou equivalentes e cheque a situação da criança regularmente. Ainda mais, certifique-se de que durante o tempo da separação o contato com os pais ou tutores seja feito duas vezes ao dia por chamadas de vídeo ou outra forma apropriada à idade da criança.

20. Mantenha as rotinas familiares sempre que possível e crie novas rotinas principalmente com as crianças em casa. Pense em atividades lúdicas e pedagógicas para fazer com elas. Sempre que possível, incentive as crianças a continuarem brincando e se sociabilizando com os outros, mesmo que somente na família por causa do distanciamento social no momento.

21. Em estresses e crises é normal para a criança buscar mais os pais e exigirem mais deles. Fale com seus filhos sobre o covid-19 de forma honesta e apropriada à idade deles.  Se eles tiverem preocupações o fato de falar sobre elas pode ajudar a baixar a ansiedade das crianças. Elas observam os pais, as emoções no ar e tiram daí seus mecanismos para lidar com as próprias emoções da melhor forma nesses momentos difíceis.

Idosos, cuidadores e pessoas com problemas de saúde  

22. Idosos, especialmente em isolamento social e aqueles com problemas cognitivos como demência podem se tornar ansiosos, estressados, com raiva, agitados e distanciados durante a quarentena. Ofereça a eles apoio emocional por meio de redes familiares ou de agentes de saúde. 

23. Partilhe fatos simples sobre o que está acontecendo com informações claras a respeito da redução de riscos e infecções em palavras compreensíveis para quem tem barreiras de entendimento.   Repita a informação sempre que necessário.  As instruções precisam ser claras, concisas e respeitar o estilo do paciente. Talvez seja útil colocar a informação em escrito ou em pinturas e figuras. Envolva a família e outras redes de apoio no fornecimento das notícias e de medidas de prevenção como a lavagem de mãos.

24. Se você tem alguma doença ou síndrome, certifique-se de que seus medicamentos estão disponíveis par uso. Ative ainda seu grupo de amigos para pedir ajuda caso necessário.

25. Esteja preparado e informado, com antecedência, de como buscar ajuda, como chamar um taxi, ter comida entregue em casa ou pedir ajuda médica. E providencie medicamentos para duas semanas, caso necessário. 


26. Aprenda exercícios físicos simples para fazer em casa todos os dias durante o isolamento e a quarentena para não reduzir a mobilidade. 


27. Mantenha rotinas e tarefas regulares sempre que possível e crie novas num ambiente diferente. Entre elas atividades diárias, limpeza, canto, pinturas e outras. Ajude outros, vizinhos, amigos, crianças e pessoas em hospitais combatendo o covid-19, sempre que for Seguro, claro. Mantenha o contato com os entes queridos ainda que por telefone.
Pessoas em isolamento.


28. Fique em contato e mantenha sua rede de amigos e conhecidos,  ainda que isolado tente ao máximo manter sua rotina e crie novas. Se as autoridades de saúde recomendaram distância física para conter o surto, você pode manter a proximidade digital com e-mails, redes sociais, telefone, teleconferências etc. 


29. Durante esse período de estresse, esteja atento a seus sentimentos e demandas internas. Envolva-se com atividades saudáveis e aproveite para relaxar. O exercício constante, o sono regular e uma dieta balanceada ajudam. Mantenha tudo em perspectiva. Os agentes de saúde em todos os países estão atuando para que os mais afetados pela pandemia recebam assistência e cuidados.


30. Uma enxurrada constante de notícias sobre o surto pode levar qualquer um à ansiedade e ao estresse.  Siga as notícias confiáveis e evite boatos e “fake news” que vão somente causar mais desconforto e dissabor.

ATENÇÃO
Todos os conteúdos acima são de autoria da Organização nas Nações Unidas. Para mais informações e indicações sobre o COVID-19, favor acessar:  https://news.un.org/pt/story/2020/03/1707792